10 erros mais comuns que os brasileiros cometem no Chile.

10 erros mais comuns que os brasileiros cometem no Chile.

  • Por Francisco Araújo
    -
  • -

É comprovado que viajar traz benefícios únicos e que dificilmente alcançaríamos buscando em outras fontes. Nós, da Turistando Chile temos essa noção e sabemos que uma boa viagem pode transformar a vida das pessoas proporcionando bem estar e tornando-as, principalmente, mais felizes e cultas.

Organizar uma viagem pode parecer difícil, mas há de concordar que é tudo de bom! Entretanto, se o destino for um local ainda não visitado, existem alguns cuidados que devemos tomar antes de viajar a fim de evitar aquelas terríveis dores de cabeça capazes de ocorrer em uma viagem mal programada.

Esse é um dos motivos pelo qual fazemos questão de trazer ao nosso turista amigo as dicas para viajar para o Chile aproveitando o máximo possível desta viagem dos sonhos! Afinal de contas, viajar é sempre uma boa idéia; e com as nossas dicas é ainda melhor.

Chile Turismo

Presenciar lindos cenários,  desbravar as montanhas, brincar com a neve, se encantar com uma nova cultura degustando um bom vinho, visitar a capital Santiago... enfim, motivos para visitar o Chile não faltam, seja lá qual for a época o seu destino final.

Não é por acaso que, na América Latina, o Chile é um dos destinos mais procurados pelos brasileiros. Pensando nisso, a Turistando Chile trouxe dicas e erros mais comuns que os brasileiros cometem ao viajar para o Chile, afinal de contas, sabemos como organizar uma viagem para o Chile.

10 PRINCIPAIS ERROS COMETIDOS POR BRASILEIROS NO CHILE

Se você nunca veio ao Chile é importante conhecer algumas peculiaridades desse país, principalmente referente ao clima, moeda e a cultura do local. Está curioso? Vamos lá!

1 – Trocar o dinheiro no Brasil ou no aeroporto.

Nossa equipe percebeu que uma das principais dúvidas dos brasileiros que decidem conhecer as terras chilenas está relacionada à qual moeda levar para o Chile e onde realizar o câmbio.

Você deve considerar que quanto mais vezes a moeda for trocada, maior será sua desvalorização. Dessa forma, dê preferência por trocar seu dinheiro diretamente por pesos chilenos, pois comprovadamente seu dinheiro renderá mais.

A equipe da Turistando Chile indica que o câmbio da moeda seja feito diretamente em Santiago, no Chile, mais precisamente na casa de câmbio da Rua Agustina, 637, onde prezam pela privacidade e segurança. Entretanto, em Santiago existem diversas opções para você realizar a troca do seu dinheiro.

Importante lembrar que essa dica não substitui a importância de realizar uma pesquisa aprofundada da cotação da moeda. Compare as cotações de várias casas de câmbio no Brasil, levando sempre em consideração os valores oferecidos sem deixar de avaliar a reputação da casa de câmbio.

2 – Portar documentação errada

Assim como no Brasil, a burocracia no Chile também pode lhe causar alguns transtornos. Imagine só você fazer todo o roteiro de viagem Chile e ser impedido de entrar no país por estar portando documentação errada ou insuficiente.

Por esse motivo é importante se atentar ao seguinte: No Chile, é possível entrar portando somente seu RG normal, expedido no Brasil. Entretanto, é imprescindível que o documento tenha de expedição de no máximo 10 anos.

Também é possível entrar com o passaporte, com validade mínima de seis meses da data de saída do Brasil. Outros documentos, como cédulas de identificação profissional (CRM, OAB, etc) ou até mesmo a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) não serão aceitos. Aliás, essa é uma das dicas que você precisa saber antes de embarcar para o Chile.

3 – Escolher meio de transporte errado para locomover-se

Quando visitamos um novo local, a locomoção entre os pontos de interesse costuma causar receio. Uma das principais dúvidas dos brasileiros que visitam as terras andinas está relacionada à como se locomover no Chile.

Assim como no Brasil, além de transporte público, também é possível contar com os serviços de motoristas de aplicativo (Uber, Cabify) e os famosos taxis; entretanto, é interessante se atentar a alguns detalhes para garantir seu conforto e economia pro seu bolso.

Metrô de Santiago

Na capital Santiago, por exemplo, o sistema público de transporte conta com estações de metrô. Apesar da malha ferroviária chegar a quase todo canto da cidade, dependendo do horário e dia, o metrô pode não ser a melhor opção de transporte em Santiago.

Isso acontece porque o bilhete do metrô por aqui apresenta valores variáveis. Tudo depende do dia da semana e/ou horário de embarque. Se o intuito do turista for conhecer diversos locais sem se preocupar com horários e dias específicos, esse cenário pode encarecer o passeio.

Táxi em Santiago

O serviço de táxi de Santiago costuma carregar má fama quando o assunto é turismo. Se você não domina a língua nativa e não conhece a região, o aconselhável é utilizar outro serviço de transporte para chegar até seu destino. Prevenir é melhor do que remediar, concorda?

Uber no Chile

O Uber ainda está em processo de regularização em Santiago, entretanto é possível contratar os serviços dos motoristas através do aplicativo. Lembre-se de adquirir um chip habilitado para o uso no exterior.

Os preços da Uber no Chile são justos geralmente, com uma viagem de mais ou menos 15 min variando entre R$ 11,00 e R$ 17,00, e a oferta dos carros não deixa a desejar.

Talvez o único ‘problema’ com a Uber seja na entrada no aeroporto. Tendo em vista que a regularização do aplicativo ainda não ocorreu, eles são impedidos de adentrar a área destinada ao desembarque de passageiros.

Entretanto, se esse for o único empecilho, a Turistando Chile possui a disposição de seus clientes o serviço de translado (transfer) entre o aeroporto e o hotel de hospedagem, garantindo o seu conforto e segurança.

4 – Alugar carro em Santiago

Apesar de parecer uma ótima idéia, alugar um carro no Chile pode não ser uma boa opção, principalmente para turistar. Considere que o trânsito em Santiago é tão volumoso quanto o de outras capitais pelo mundo; e os estacionamentos da cidade são relativamente caros quando comparados com outros serviços.

Além do mais, o Chile é internacionalmente reconhecido - também - pela qualidade de seus vinhos. Mas vale lembrar que por aqui a lei seca funciona e as penas pra quem dirige após beber podem chegar a até 06 anos. Ou seja, beber e dirigir, aqui e em qualquer lugar do mundo, definitivamente não é boa idéia.

Ok! Vamos supor que você eleja alguém a motorista da rodada! Resolvido? Em partes sim.

Entretanto é preciso lembrar que, além do trânsito caótico tradicional da cidade grande, uma das principais rotas pra se fazer no Chile é o passeio nas montanhas, que se torna extremamente perigoso para motoristas sem conhecimento da geografia local – principalmente em períodos com neve.

5 – Contratar agências piratas

Diversas agências clandestinas surgem ‘repentinamente’ em Santiago, principalmente na alta temporada. Por esse motivo é essencial que você investigue o passado da agência de turismo que irá contratar, evitando pagar por serviços duvidosos que podem estragar a sua viagem.

No Chile, uma maneira de você verificar a idoneidade das agências de turismo é através do site do Serviço Nacional de Turismo chileno, o Sernatur. O órgão é responsável por promover e difundir o turismo chileno; por lá será capaz de constatar a veracidade das agências e verificar diversas outras informações com transparência da oferta de turismo no Chile.

As informações do Sernatur ainda podem ser combinadas com os dados de sites do segmento, como o TripAdvisor. Encontre a agência pretendida e verifique as recomendações! É um ótimo termômetro.

6 – Realizar passeios por conta própria

Apesar de ser tentador para um espírito aventureiro, estabelecer rotas por conta própria pode ser perigoso, principalmente se for um passeio nas montanhas ou em época com neve.

Considere que, além de não conhecer a região, é preciso técnica para chegar a alguns locais, como estações de esqui ou, como já dito, na visita as montanhas. Sem contar que alugar um carro em Santiago não é a melhor idéia.

Planeje contratar passeios com profissionais especializados. Agências especializadas, além de toda segurança, pode te levar a conhecer locais que talvez você nem imaginasse, como lagos congelados pelo inverno, cascatas enormes, piscinas termais, cenários paradisíacos, etc.

7 – Não considerar as condições climáticas do Chile

Apesar de vizinhos, o clima no Chile é totalmente diferente do clima brasileiro. Por aqui venta muito e, independentemente do inverno ou não, o clima é consideravelmente gelado.

Por esse motivo é imprescindível dar uma checada nas condições do clima chileno e colocar na mala agasalhos compatíveis com o frio que encontrará por aqui durante sua estadia.

8 – Passear nas montanhas desprevenido

Se conhecer as montanhas chilenas está no seu itinerário, você precisa saber que a região não possui estrutura para oferecer refeições ou lojas de conveniência para suprir alguma necessidade emergencial.

Sendo assim é imprescindível que você leve sua alimentação e planeje muito bem o seu dia, se prevenindo, inclusive, para as condições climáticas das montanhas, onde predomina o vento gelado. Portanto, lembre-se do item 07 e não se esqueça de levar um agasalho!

9 – Se descuidar de bolsas, mochilas e celulares.

O Chile, sem dúvidas, é mais seguro que o Brasil; entretanto, as mesmas precauções que servem para os brasileiros também devem ser colocadas em práticas aqui no Chile.

Apesar de ser mais seguro, em Santiago existe alto índice de furtos, com muitos casos envolvendo turistas desatentos. Sendo assim, mantenha as bolsas e mochilas junto ao corpo e os celulares em locais de difícil acesso. O importante é prevenir!

10 – Confundir valores das moedas locais

Já vimos nesse artigo onde realizar a troca do dinheiro quando chegar ao Chile; mas vale a pena frisar um pequeno detalhe: Diversos turistas confundem os valores impressos nas notas dos pesos.

Ainda mais quando não tem intimidade com a língua ou está fazendo negócios com um comerciante mal intencionado (inclusive taxistas). Por isso é preciso se atentar aos valores da moeda local.

No Brasil sabemos o poder de compra de R$ 1,00. Mas você tem noção do quanto vale um peso chileno? Para saber o poder de compra do seu dinheiro no Chile, basta efetuar contas simples para ter noção do valor real de determinado item ou serviço.

Primeiro, é preciso saber o valor da cotação do real / peso chileno. Supomos que R$ 1,00 seja equivalente a $170 CLP, dessa forma, será preciso dividir o valor de determinado bem ou serviço por 170, que é o valor da cotação da moeda.

Por exemplo: Uma corrida de Uber custou $2.000 CLP, basta dividir esse valor por 170 para atingirmos o valor pago em reais (R$ 11,76) e saber se está sendo enganado ou não.

Planejamento é a melhor das dicas para quem vai realizar qualquer viagem! Sendo assim, não se esqueça de que a Turistando Chile está preparada para viver tudo junto com você!  Deixe as sensações das novas experiências aflorarem enquanto nós cuidamos da sua diversão, pois sabemos que bom mesmo é viajar com o coração tranquilo.

 

NEWSLETTER

Inscreva-se e receba nossas novidades, promoções!